Frotas e Fretes Verdes 2018

Dex Soluções: Logística sustentável

De acordo com o Banco Mundial, atualmente o Brasil está na posição 55ª do Ranking de Eficiência Logística Mundial entre 160 países.

A infraestrutura logística do Brasil, uma situação "insustentável"!


De acordo com o Banco Mundial, atualmente o Brasil está na posição 55ª do Ranking de Eficiência Logística Mundial entre 160 países. Somos o 5º país em extensão territorial do mundo, sendo que de um total de 1.578.292 km de rodovias apenas 212.866 km são pavimentadas, o que equivale a apenas 13,48% do total.

Para efeito de comparação, o Brasil possui 24,8 km de rodovias pavimentadas para cada 1.000 km2 de área. A Argentina tem 25,0 km, o Uruguai 43,9 km, o México 70,0 km, a China 359,9 km e os EUA 438,0 km de rodovias pavimentadas por cada 1.000 km2 de área.
 
Todos sabem que as condições das rodovias influenciam significativamente o desempenho dos veículos e a sua eficiência energética. Com estradas ruins, a velocidade dos veículos obrigatoriamente fica menor, aumentando o número de frenagens e acelerações e por consequência aumentando o consumo de combustível.
 
Acrescemos a isso o desgaste excessivo e prematuro de pneus, suspensão, freios, etc., e com o risco de acidentes, gerando além dos prejuízos financeiros, principalmente o socioambiental. Com o aumento no consumo de combustíveis, temos uma maior emissão de poluentes, fazendo crescer o aquecimento global, além do índice de doenças respiratórias que ameaçam o bem-estar da população. Os vilões mais conhecidos são os GEE – gases de efeito estufa, o CO2 – gás carbônico e o MP – material particulado formado por diversos componentes, entre eles a fuligem gerada
por veículos movidos a diesel.
 
Segundo levantamento da CNT – Confederação Nacional dos Transportes, o transportador brasileiro tem seu custo aumentado em média em 27% em decorrência das inadequações relacionadas ao pavimento das estradas. Isso equivale a dizer que o país gasta mais de um quarto do que deveria para transportar suas mercadorias, resultando numa menor remuneração para o transportador, redução do poder de compra da população e os produtores têm sua competitividade diminuída nos mercados interno e externo.

Outra grande perda, ainda segundo a CNT, diz respeito ao extravio de grãos pelas estradas brasileiras devido ao péssimo pavimento, que gera prejuízos estimados em R$ 3,8 bilhões a cada ano. Sem contar a quantidade de alimento desperdiçado, num país que muitos passam fome.

Enfim, os números mostram que muita coisa temos a fazer. Esse é um dos objetivos do nosso grupo pelo debate de novas políticas públicas buscando uma melhor eficiência energética e logística. Quiçá possamos ter feito a melhor escolha possível nas urnas em 2018 em busca dessa eficiência!

Compartilhe essa página